Notícias

Marcada primeira reunião do ano entre governo e servidores. Reajuste ainda é uma esperança

08/02/24 às 13:14 por Sindjuf/SE
  • Compartilhar via Facebook
  • Compartilhar via Twitter
  • Compartilhar via Whatsapp
  • Compartilhar via Email

 

 

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) agendou para o dia 28 de fevereiro a primeira reunião de 2024 da Mesa Nacional de Negociação Permanente (MNNP) com os servidores.

 

O anúncio vem logo após a ministra Esther Dweck afirmar que pode haver recomposição em 2024 em caso de cumprimento do déficit zero e alta na arrecadação. Até então, a proposta do governo era de reajuste somente a partir de 2025.

 

Na reunião do dia 28, será discutida a contraproposta de reajuste salarial apresentada pelas entidades dos servidores do Executivo. O documento foi entregue ao secretário de Relações de Trabalho do MGI, José Lopez Feijóo.

 

Com apoio do Dieese, a contraproposta unificada considera as reposições e perdas salariais das categorias, sendo os percentuais construídos a partir de dois blocos distintos:

 

  • reajuste de 34,32% dividido em 3 parcelas iguais de 10,34%, em 2024, 2025 e 2026, para os servidores federais que, em 2015, firmaram acordos por dois anos (2016 e 2017);

  • reajuste de 22,71% dividido em 3 parcelas iguais de 7,06%, em 2024, 2025 e 2026, para os servidores que, em 2015, fecharam acordos salariais por quatro anos (2016 a 2019).

 

Além disso, os servidores reivindicam equiparação dos benefícios do Executivo aos do Legislativo e Judiciário. Apesar da proposta do governo de aumentar em 51% os auxílios saúde, alimentação e creche, os valores ainda estão defasados em relação ao dos outros Poderes.

 

No ano passado, o Orçamento reservava apenas R$ 1,5 bilhão para o salário dos funcionários públicos, o que representaria cerca de 1% de reajuste. Este valor foi ampliado, passando para R$ 2,7 bilhões no final de 2023. Segundo a ministra Dweck, se o valor fosse distribuído igualmente, não daria nem 2% de reajuste e beneficiaria mais quem tem maiores salários. Por isso, o governo decidiu concentrar em um valor que é absoluto e igual para todo mundo, o dos auxílios.

 

Clique na imagem para ampliar